sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Sobre olhos e pés

Quem lê cria
cor em silêncios,
estações em segundos,
planetas sem par.

Quem dança
desliza nos sons,
mobiliza elementos,
dá nó em pingo d´ar.

Mas mundo
não é sempre lento,
não é só bagunça.
Nem tento explicar

Só sei dessa vida
que ela é mais vivida
se ocê concilia

o ler e o dançar.

domingo, 22 de setembro de 2013

Para Cézar Junqueira D. C. Reli





Com tanto céu por aí...
Tens asas e deves voar.
Ser livre, se achar sem ferir.
Ser simples no ser e estar.

Que o ar de aquário te leve
e que seja leve em dançar.
Que  Exú e a criança te ensinem
a ser quem já  é e a mudar.

Não pare na pista, não tema.
Não pode se acostumar,
A gente precisa de gente
com a garra que tens pra lutar.

Assim meu amigo, te quero...

Sê livre que o mundo é teu lar.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Visceral

Menino de corpo de bicho, natural,
desejos de  ingênuo animal;
 seguisse sem dó nem maldade,
nem atrocidades, instinto leal.

É filho da dona do Vento.
Temporal
E venta pra lá e pra cá,
Se ama, ou se odeia
Se ri e rodeia...

O que é que essa vida
quer dele afinal?

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Embaraços de nós

Enrosquemos os cabelos
até que se confundam
até que fundem movimentos
sem pautas, ponteiros, pontos
e que não haja pente
que os desembaracem.

Para que enlacem raízes históricas,
inaugurem memórias
de dois mundos que se fundem
em 'entrelaços'
dos nós dos teus dreds
às pontas dos meus cachos. 
Ideias, ideias, deias de amor... São elas quem mudam e não ele. O que senti, ainda sinto, não é menos, não é mais, menos ainda, demais. Os “demais” então foram  ideias do que ele deveria tornar-se. O erro não é o amor, o erro é expectativa de que este seja água para um copo de formato específico, seja palco de cena já escrita. Não existem quadrados que por si abriguem o que a gente tem por dentro de dentro do centro de nós. O amor é o que é e a gente fica querendo que seja outra coisa mais prática, lógica, terra... Amor é água, pode encher muitas formas de copos, todas até.. mas é mais Ele se é livre. Gota, rio, mar, tempestade. Amor há, entre nós, você e elas, outros e eu, é o que é. E que continue sendo para que as transformações só ocorram ao natural, nascendo da disposição dos corpos e de nada mais.

                Por isso, para que saiba e apenas para que saiba, só mesmo por que é injusto esconder o que é tão belo: Eu te amo! E não responda nada. Teu silêncio é lindo também!