segunda-feira, 29 de dezembro de 2014


Perguntou a mulher 
a um lindo cravo:
Abrir o o portão do jardim 
Ou armar o arame farpado?

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

É tudo seu

Ó, sabe esse fogo que eu trago nos olhos
Sabe essa força que vem lá de dentro
Toda minha paz e o meu balançar

É, sabe essa ginga, essa coisa da gente
Sabe minha língua que eu falo insistente
Sabe meus livros e o meu patoá

É tudo seu
Meu samba
Eu te dou o que tenho pra dar
É tudo seu
Meu samba
Eu só peço pra não clarear

Ah, tenho as dores que trago da vida
Tenho alegrias pra curar feridas
Flores e filhos que são nosso lar

É, eu também tenho palavras ao vento
Que é pra você usar de instrumento
Pra gente fazer esse povo dançar

É tudo seu
Meu samba
Eu te dou o que tenho pra dar
É tudo seu
Meu samba

Eu só peço pra não clarear

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Acordar

Fazer acordos

Dar a cor

Amar

Ver outro tom

Fazer amor

Dançar

Não sei fazer

Mas já é bom

Brincar

Sem esquecer

Que é tempo de lutar

Pensar

E quanto mais eu penso

Mais me dá

Sede de mais correr

Do que falar

Eu sei que em outra encarnação

Se pá

Vai dar pra ser

Só ser e relaxar.

Mas não

O tempo voa e sofre irmã e irmão

Vendendo a força

Pra comprar o pão

Já nem sei mais o que é alienação

E o que é o jeito de se acalantar

Sei lá,

Se agente quer

Dizem que vai chegar

Se tiver fé eu sei que vou ganhar

Muita saúde, paz pra alma,

Tá!

Mas pra manter vou ter que rebolar




É...

Orgulho e fé

Minha cabeça em pé

Mas só quem é sabe da dor que dá

Meu filho sabe o que é ser quem é

E o coração canta pra não chorar

quinta-feira, 1 de maio de 2014

De Borboleta

QUE O VENTO ME LEVE
QUE ALMA CIRCULE
QUE CALMA E O CARINHO
SUSTENTEM A PAZ DESSE LADO SEM MURO

QUE O DIA ACELERE
SE HOUVER MOVIMENTO
MEU CORPO SE ENTREGUE
PRA SER INSTRUMENTO DO AMOR QUE SE JURE

DEIXA O VENTO VENTAR
DEIXA DESCARREGAR
QUE ME RODE, ME PUXE,
QUE PRA SER SINCERA
EU PREFIRO SER AR.

DEIXA O VENTO LEVAR
DEIXA VIR PRA SOMAR
QUE EU SAIBA SER DOCE
QUE EU SAIBA SER FORTE

PRA VIDA RODAR

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Bom dia!

Só sei que daria
um livro pra conhecer
dos teus batimentos, o compasso,
se ouve a canção que mandei pra você.
O que será que cê pensa?
O que você me diria?
Bate o carro?
Sorri, tira um sarro?
Ou será que e aí que me liga
E traduz “eu te amo” em “bom dia”?

sábado, 18 de janeiro de 2014

Carga

Seu Elevador de trás
eleva a dor que me traz
ser visto por aqui
como descarga social.

Meu Rg não resolve,
É documento, é papel
Não mascara minha cor
Onde  racismo é oficial

Sua fumaça não me espanta
O teu faro é de opressor
É  história sim, doutor,

nossa história nacional.